• SINDICATO DOS POLICIAIS CIVIS DO ESTADO DE SERGIPE

Deputados cassados por corrupção recebem até R$23 mil de aposentadoria da Câmara

Pelo menos nove deputados cassados por envolvimento em escândalos de corrupção recebem aposentadoria de até R$ 23.344,70 por mês.

20/11/2017

Pelo menos nove deputados cassados por envolvimento em escândalos de corrupção recebem aposentadoria de até R$ 23.344,70 por mês. O valor mais baixo, conforme revelou o jornal O Estado de S. Paulo desta quinta-feira (16) é de R$ 8.775,38, ainda assim o valor é superior ao teto estabelecido pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) ao trabalhador comum – que atualmente é de R$ 5.531,31. Apesar de imoral, o pagamento não é ilegal, já que os benefícios são provenientes do Plano de Seguridade Social dos Congressistas (PSSC).

 

Entre os beneficiários, o ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ), que perdeu o mandato por envolvimento no mensalão em 2005, recebe R$ 23.344,70 . Preso na Operação Lava Jato e cassado em 2006, Pedro Corrêa (PP-PE) também recebe o benefício no valor de R$ 22.380,05, conforme mostra o jornal. Caso o pedido do petista José Dirceu, cassado em 2005, seja aceito, o número de deputados cassados subirá para dez. Dirceu requereu o benefício à Câmara e aguarda aval do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). A previsão é que o valor seja de R$ 9.646,57.

De acordo com a jornalista Daiene Cardoso, as aposentadorias somam R$ 126.960,94 por mês. Entre os parlamentares cassados, cinco deles foram perderam o mandato por envolvimento no escândalo dos anões do Orçamento, acusados de receber propina de prefeitos e governadores em troca de liberação de recursos da União nos anos 90. Outros dois são por atuação no mensalão.

A reportagem lembra ainda que a “Casa também reserva uma pensão de R$ 937 à família de um deputado que era aposentado e perdeu o mandato durante a ditadura militar”.

O Plano de Seguridade Social dos Congressistas (PSSC), criado pela Lei nº 9.506, de 30 de outubro de 1997, está em vigor desde 1º de fevereiro de 1999. Trata-se de um plano especial de previdência parlamentar de participação facultativa. Para se aposentar, um deputado precisa ter 60 anos de idade e 35 de contribuição. O tempo, no entanto, pode ser contato com outros trabalhos exercidos antes do mandato parlamentar. Por conta do mandato, o parlamentar tem direito a receber acima do limite do teto da Previdência para o trabalhador comum.


Veja também

Fim da Contribuição Sindical Obrigatória

Fim da Contribuição Sindical Obrigatória

31/01/2018 - A publicação da Lei 13.467, em 13/7/2017, denominada de reforma trabalhista, alterou o artigo 579 da Consolidaçã...

Sinpol/SE apresenta nova diretoria aos filiados durante café da manhã na sede do sindicato

Sinpol/SE apresenta nova diretoria aos filiados durante café da manhã na sede do sindicato

17/01/2019 - Na manhã desta quinta-feira, 17, o Sindicato dos Policiais Civis do Estado de Sergipe (Sinpol/SE) realizou um café da manh&ati...

No Brasil, falta trabalho adequado para 26,8 milhões de pessoas, diz IBGE

No Brasil, falta trabalho adequado para 26,8 milhões de pessoas, diz IBGE

20/11/2017 - A taxa de subutilização da força de trabalho no país ficou praticamente estável no terceiro trimestre do ...

Temer faz declaração de ódio ao trabalhador

Temer faz declaração de ódio ao trabalhador

22/01/2018 - Os brasileiros que adoram encher a boca para falar do “Primeiro Mundo” devem ter lido a notícia publicada recentemente: A...